Mototaxista é assassinado a tiros na cidade de Alagoinha e polícia procura suspeitos

Viaturas da Polícia Militar das cidades de Alagoinha e Mulungu fizeram diligências, mas conseguiram prender o acusado

janeiro 12, 2017
657 Visualizações

Um homicídio foi registrado na noite desta quarta-feira (11), na periferia da cidade de Alagoinha, na Região Metropolitana de Guarabira, no Agreste paraibano.

De acordo com informações de testemunhas, um homem identificado Jozimal Sabino  de Souza, de 48 anos, como “Neném de Jorge”,  morador da Rua da Coréia, em Alagoinha, que também trabalhava como mototaxista, foi assassinado num bar de sua propriedade, que fica localizado na “Coréia”, próximo ao trevo que fica na saída de Alagoinha para Mulungu.

Outra informação dá conta de que a vítima foi alvejada com pelo menos 6 disparos de arma de fogo.

As guarnições da Polícia Militar nas viaturas 6968, de Alagoinha e  6072, de Mulungu, fizeram diligências no sentido de prender o acusado, ainda não identificado, mas sem êxito.

Redação com Portal Mídia

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria
Notícias
0 shares26 views
Notícias
0 shares26 views

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria

Jota Alves - jul 26, 2017

O curso de confeccionador de bijuteria reforça o compromisso da Gestão Municipal em contribuir para a qualificação profissional

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas
Notícias
0 shares329 views
Notícias
0 shares329 views

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas

Jota Alves - jul 26, 2017

“Continuamos a pagar dentro do mês trabalhado desde o início”, destacou Ricardo na publicação

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade
Política
0 shares192 views
Política
0 shares192 views

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade

Jota Alves - jul 26, 2017

No mérito, o relator disse que a ré não comprovou, documentalmente, a sua inocência quanto à legalidade de pagamentos de despesas com dinheiro público no valor de R$ 43,7 mil