Anderson Silva vence Brunson e se emociona no UFC 208

O ex-campeão do peso-médio entrou na arena de uma forma diferente.

fevereiro 12, 2017
720 Visualizações

Uma sucessão de derrotas e questionamentos sobre o seu futuro foram situações que Anderson Silva precisou aprender a lidar nos últimos dois anos. Acostumado a enfileirar adversários, Spider não vencia uma luta desde 2012. Sem o cinturão do Ultimate, passou a semana dizendo que atua por prazer e amor ao esporte que pratica desde a adolescência. E, aos 41 anos de idade, fez sua habilidade e sua experiência superarem a juventude e o porte físico de Derek Brunson, dando ainda lampejos dos seus grandes momentos, por meio de chutes rodados e domínio no octógono. A vitória por decisão unânime (29-28, 29-28 e 30-27) na co-luta principal do UFC 208, no Brooklyn, em Nova York, levou o brasileiro a quebrar um jejum de quatro anos e quatro meses e o recolocou no caminho trilhado desde o início de sua trajetória na modalidade.

Anderson pareceu se divertir no octógono e, antes mesmo de ouvir seu nome ser anunciado como vencedor, sentou-se ao lado do adversário e o abraçou. Quando Bruce Buffer anunciou o resultado final, o brasileiro se emocionou, talvez, em um misto de felicidade e alívio. Ele abraçou os treinadores e se esforçou para falar ao ver o público de pé nas arquibancadas do Barclays Center.

– Primeiro de tudo, obrigado por virem aqui hoje. Muito obrigado ao UFC e aos meus amigos, minha família e meus filhos. Primeiro de tudo, Deus. Eu trabalhei muito durante muito tempo para lutar aqui. Coloco sempre meu coração. Às vezes tenho uma dor nas pernas, nas costas, às vezes procuro minha família e digo que vou treinar por três ou quatro meses, e agora quando venho para uma luta, venho para proporcionar isso a todos e dar o meu melhor. Desculpem, pois sei que estou muito velho para lutar, todo mundo aqui é mais novo, mais forte, mas eu fiz isso aqui com o meu coração. Quando eu venho aqui dentro do octógono, coloco toda a minha vida aqui dentro. Respeito todo mundo aqui, respeito os fãs e venho aqui para lutar feliz, pois amo o meu trabalho, amo o UFC, meus fãs no mundo e, por muito tempo sonhei em lutar em Nova York, eu nem acredito que isso aconteceu. Obrigado! – declarou o brasileiro, cuja vitória contra Nick Diaz, no UFC 183, em 2015, foi transformada em “No Contest” (sem resultado), após ambos serem flagrados no exame antidoping..

O ex-campeão do peso-médio entrou na arena de uma forma diferente. A música que anunciava a sua chegada ao octógono já não era a icônica “Ain’t no Sunshine”, do rapper DMX, que o acompanhou pelas 17 últimas lutas que fez na carreira. Por isso, talvez, a emoção tenha sido mais intensa, e as bandeiras do Brasil eram agitadas pela torcida canarinho enquanto Spider caminhava ao som da canção “Doom” (Sina, na tradução literal), composta por seu filho Kalyl, que o acompanhou até a entrada da arena ao lado do irmão Gabriel.

Fonte: G1

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Marcelo Bandeira denuncia sucateamento das estradas da zona rural em Guarabira
Política
0 shares51 views
Política
0 shares51 views

Marcelo Bandeira denuncia sucateamento das estradas da zona rural em Guarabira

Jota Alves - jun 12, 2019

O presidente da Câmara Municipal citou localidades como Maciel, Tananduba, Pirpiri, Escrivão, Catolé, dentre outras, onde as estradas estão em situação de precariedade

Pilõezinhos: em apenas 2 anos e 5 meses, 40 servidores públicos municipais aposentados
Política
0 shares19 views
Política
0 shares19 views

Pilõezinhos: em apenas 2 anos e 5 meses, 40 servidores públicos municipais aposentados

Jota Alves - jun 12, 2019

Em sua rede social, a prefeita Mônica agradeceu aos servidores aposentados que passaram grande parte de suas vidas dedicando-se ao serviço público

Pai da noiva nega gravidez da filha e aceita romance da jovem com padre Everson
Notícias
0 shares43 views
Notícias
0 shares43 views

Pai da noiva nega gravidez da filha e aceita romance da jovem com padre Everson

Jota Alves - jun 12, 2019

Everson Danilo Vasconcelos Santos, natural de Alagoa Grande, foi ordenado padre no dia 6 de outubro de 2017, tendo permanecido na função durante apenas 1 ano e 8 meses