Cássio Cunha Lima quer Paulino e Toscano unidos em 2018

Os grupos são adversários políticos desde o ano de 1998

janeiro 11, 2017
1163 Visualizações

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB), em entrevista ao programa Espaço Aberto da Rádio Cultura de Guarabira, na manhã desta quarta-feira (11), apresentado pelos radialistas Rudney Araújo e Evandreson Braz, foi questionado sobre as alianças políticas do Brejo e da Paraíba.

Na oportunidade, Cássio fez menções sobre os desdobramentos que devem ocasionar em Guarabira e fez um apelo aos líderes políticos do município, que possam rever os seus conceitos e pensem numa aliança para 2018.

O PMDB é representado por Roberto Paulino e o PSDB representado por Zenóbio Toscano. Os grupos são adversários políticos desde o ano de 1998, após o racha dos partidos, no episódio do Clube Campestre, quando Ronaldo Cunha Lima (falecido) e José Maranhão brigaram publicamente. Agora, em 2018, depois de vinte anos podem ser aliados em razão da conjuntura que se desenha.

Fonte: Nordeste1

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria
Notícias
0 shares26 views
Notícias
0 shares26 views

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria

Jota Alves - jul 26, 2017

O curso de confeccionador de bijuteria reforça o compromisso da Gestão Municipal em contribuir para a qualificação profissional

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas
Notícias
0 shares329 views
Notícias
0 shares329 views

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas

Jota Alves - jul 26, 2017

“Continuamos a pagar dentro do mês trabalhado desde o início”, destacou Ricardo na publicação

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade
Política
0 shares192 views
Política
0 shares192 views

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade

Jota Alves - jul 26, 2017

No mérito, o relator disse que a ré não comprovou, documentalmente, a sua inocência quanto à legalidade de pagamentos de despesas com dinheiro público no valor de R$ 43,7 mil