Guarabira abre os 100 Anos de Jackson do Pandeiro com 3 atrações temáticas abertas ao público

Paraibano de Alagoa Grande, Jackson nasceu em 31 de agosto de 1919, no Engenho Tanques, com o nome de José Gomes Filho

janeiro 11, 2019
25 Visualizações

O ano de 2019, no âmbito da cultura nacional e nordestina, será bastante reverenciado como o Ano Cultural de Jackson do Pandeiro, considerado o maior ritmista do Brasil, em virtude das comemorações do seu centenário de nascimento. Filho do Brejo Paraibano, natural do município de Alagoa Grande, o Rei do Ritmo (como ficou conhecido) será tema de muitas atividades culturais em várias partes do Brasil, conforme já vem sendo anunciado por algumas instituições.

A Prefeitura Municipal de Guarabira, através da Secretaria de Cultura e Turismo, abre o ano de 2019 em celebração ao centenário do artista paraibano Jackson do Pandeiro. Na próxima semana, durante os dias 17 e 18 de janeiro, três atrações serão realizadas em praça pública, tal como no Teatro Municipal Geraldo Alverga, o que terá continuidade com uma exposição de artistas do brejo com o tema do músico, a se realizar na Galeria de Artes Antônio Sobreira.

No dia 17, o Teatro Municipal abre as portas ao público para o espetáculo “Ópera do Pandeiro”, um musical produzido pelo Grupo Teatral “Bichoderruma”, da cidade de João Pessoa, e que vai fazer uma turnê por várias cidades da Paraíba ao longo ano, contando a história do músico. O espetáculo é escrito e dirigido por Misael Batista e conta um grande elenco de atores, cantores e bailarinos. A entrada, na noite do dia 17 (quinta-feira) será gratuita, a partir das 20 horas.

Na mesma noite da quinta-feira, na Praça João Pessoa, a banda “Jacksons Envenenados”, formada por músicos de Alagoa Grande, será a atração musical em homenagem ao ritmista. A banda, que já tem três discos gravados, interpreta várias canções de Jackson do Pandeiro com uma linguagem musical que entrelaça o rock, o samba, o coco, maracatu e outros ritmos.

As homenagens em Guarabira terão continuidade na sexta-feira (18), com apresentação de “Os Filhos de Jackson”, grupo musical que nasceu em 2009 visando preservar e difundir a obra de Jackson do Pandeiro, no estilo forró pé de serra envolvendo sanfona, triângulo, zabumba, percussão e vocal. O show acontecerá também na praça João Pessoa, dentro do projeto “100 Anos de Jackson em Guarabira”.

QUEM FOI JACKSON – Paraibano de Alagoa Grande, Jackson nasceu em 31 de agosto de 1919, no Engenho Tanques, com o nome de José Gomes Filho. Ele era filho de uma cantadora de coco, Flora Mourão. Através dela, ainda na infância, o futuro ritmista começou a tomar gosto pelo ritmo como tocador de zabumba. Após a morte do pai, José Gomes, no início dos anos 30, a família decide mudar-se para Campina Grande. A pé, Flora e três filhos. José (Jackson), Severina e João, vão tentar uma nova vida, após quatro dias de viagem.

Em Campina Grande, Jackson trabalhou como engraxate e ajudante de padaria. Nas feiras conviveu com artistas populares, como coquistas e violeiros. Seu nome artístico originou-se das brincadeiras de criança, ainda em Alagoa Grande, dos filmes de faroeste, no tempo do cinema mudo, onde se autodenominava Jack, inspirado em Jack Perry, artista dos referidos filmes. O apelido pegou e, em Campina Grande, após iniciar como pandeirista, ficou conhecido como Jack do Pandeiro, passando a acompanhar artistas da terra.

Mudou-se para João Pessoa nos anos 40 e continuou sua vida de músico tocando em boates e cabarés – sendo, logo a seguir, contratado pela Rádio Tabajara para atuar na orquestra daquela emissora, sob a batuta do maestro Nozinho. Quando o maestro Nozinho foi contratado para a Rádio Jornal Comércio-Recife, levou alguns membros da orquestra Tabajara, entre eles Jackson do Pandeiro.

Somente em 1953, com 35, Jackson gravou o seu primeiro grande sucesso: “Sebastiana”, de Rosil Cavalcanti. Logo depois, emplacou outro grande hit: “Forró em Limoeiro”, rojão composto por Edgar Ferreira. No Rio de Janeiro, trabalhando na Rádio Nacional, alcançou grande sucesso com “O Canto da Ema”, “Chiclete com Banana” e “Um a Um”. Os críticos ficavam abismados com a sua facilidade em cantar os mais diversos gêneros musicais: baião, coco, samba-coco, rojão, além de marchinhas de carnaval.

Jackson faleceu em 10 de junho de 1982, aos 62 anos, em pleno turnê pelo país. Morreu em Brasília, onde tinha participado de um show e passou mal no aeroporto, antes de embarcar para o Rio de Janeiro.

SERVIÇO:

100 Anos de Jackson em Guarabira
Atrações: “Ópera do Pandeiro”,
“Jacksons Envenenados” e “Os Filhos de Jackson”
Datas: 17 e 18 de Janeiro (Quinta e Sexta)
Locais: Teatro Municipal Geraldo Alverga
Praça João Pessoa (Centro de Guarabira)

Da Ascom

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Nesta terça, Bolsonaro assina decreto que flexibiliza posse de armas de fogo
Política
0 shares6 views
Política
0 shares6 views

Nesta terça, Bolsonaro assina decreto que flexibiliza posse de armas de fogo

Jota Alves - jan 14, 2019

O porte de arma de fogo, ou seja, o direito de andar com a arma na rua ou no carro não será incluído no texto

MP pede mais de 1.500 anos de prisão para Berg Lima, prefeito de Bayeux
Notícias
0 shares7 views
Notícias
0 shares7 views

MP pede mais de 1.500 anos de prisão para Berg Lima, prefeito de Bayeux

Jota Alves - jan 14, 2019

Para o procurador, cada salário pago aos ‘fantasmas’ é um crime diferente, e por conta disso, ele pede à Justiça que Berg Lima seja denunciado 128 vezes no crime

Ex-policial militar é preso com cerca de R$ 10 mil em cédulas falsas em João Pessoa
Policial
0 shares6 views
Policial
0 shares6 views

Ex-policial militar é preso com cerca de R$ 10 mil em cédulas falsas em João Pessoa

Jota Alves - jan 14, 2019

Cícero Avelino foi excluído da Polícia Militar em 1991, e, segundo disse, o motivo foi por ter atirado em uma pessoa