Juiz autoriza transfusão de sangue de criança contra vontade dos pais

Ação foi ajuizada pelo Município de João Pessoa em favor de uma criança que aguardava a hemotransfusão desde o dia 22 de novembro de 2017

junho 6, 2018
377 Visualizações

O juiz da 1ª Vara da Infância e da Juventude da Capital, Adhailton Lacet Correia Porto, autorizou a transfusão de sangue de uma criança, suprindo a vontade de seus pais, que, devido a convicção religiosa, não autorizaram o procedimento. A sentença pela procedência do pedido, nos autos da Ação de Autorização Judicial Substitutiva da Vontade dos Representantes, foi proferida na tarde desta quarta-feira (6) em harmonia com parecer do Ministério Público.

A ação foi ajuizada pelo Município de João Pessoa em favor de uma criança que aguardava a hemotransfusão desde o dia 22 de novembro de 2017. De acordo com a petição inicial, os médicos que a acompanhavam relataram a situação de gravidade extrema, com indicação de transfusão de sangue, informando, no parecer anexado aos autos, que o quadro de saúde apresentava piora progressiva com risco de morte.

“A recusa da família se baseia em questões religiosas: são Testemunhas de Jeová e, como tal, entendem que este recurso não é válido”, disse o magistrado, esclarecendo que a questão que se põe é o confronto entre o direito e o respeito à livre convicção religiosa e o direito à vida.

Adhailton Lacet ponderou que, embora o primeiro deva ser respeitado, entendia que tal regra deve ser excepcionada quando se coloca em confronto com o direito à vida, de primazia absoluta. “Se não há vida, não há motivo para a garantia de qualquer outro direito. Ainda mais quando se trata de paciente menor de idade, incapaz de expressar sua própria vontade. Neste caso, salvo melhor juízo, não é dado aos pais escolher entre a vida e a morte de terceiro”, enfatizou.

O juiz acrescentou que o direito à vida deve ser compreendido de forma extremamente abrangente, incluindo o direito de nascer, de permanece vivo, de defender a própria vida, enfim, de não ter o processo vital interrompido senão pela morte espontânea e inevitável.

Na sentença, o magistrado fez referência ao Código de Ética Profissional do médico, que o proíbe de efetuar qualquer procedimento sem o esclarecimento prévio do paciente ou de seu responsável legal. “Entretanto, essa regra admite exceção quando o paciente se encontra em iminente risco de morte, como é a hipótese dos autos”, explicou.

Do Portal Correio

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Homem atacado por onça-pintada é salvo por 5 cachorros
Notícias
0 shares19 views
Notícias
0 shares19 views

Homem atacado por onça-pintada é salvo por 5 cachorros

Jota Alves - jul 16, 2019

Conforme a ocorrência, o homem levou uma mordida e um tapa do animal na região das costas, o que causou várias lesões.

Ação policial prende grupo criminoso que toca o terror em Solânea e Araruna
Policial
0 shares14 views
Policial
0 shares14 views

Ação policial prende grupo criminoso que toca o terror em Solânea e Araruna

Jota Alves - jul 16, 2019

Com o grupo, também foi apreendida uma grande quantidade de maconha e crack, destinadas ao tráfico.

Moro chama novos vazamentos de ‘ridículos’ e desafia ‘The Intercept’
Política
0 shares46 views
Política
0 shares46 views

Moro chama novos vazamentos de ‘ridículos’ e desafia ‘The Intercept’

Jota Alves - jul 16, 2019

O ex-juiz ainda desafiou a equipe de reportagem, dizendo: “se houver algo autêntico, publiquem por gentileza”.