Marcelo se revolta com cobrança de taxa de iluminação: “Energisa mandou resposta fajuta”

Antes de o prefeito editar o decreto, os moradores das localidades rurais eram isentos

novembro 6, 2018
300 Visualizações

Durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Guarabira, nesta terça-feira (6), o vereador Marcelo Bandeira (PSB) denunciou o desrespeito da concessionária de energia elétrica Energisa para com a Câmara.

De acordo com o parlamentar, a Energisa vem ignorando acintosamente projeto de Decreto Legislativo, de iniciativa do socialista, tornando sem efeito decreto editado pelo prefeito Zenóbio Toscano (PSDB), no final do ano de 2016, que passou a cobrar dos moradores da zona rural a Contribuição de Iluminação Pública (CIP).

Antes de o prefeito editar o decreto, os moradores das localidades rurais eram isentos, mas o prefeito decidiu cobrar. Com o Decreto Legislativo aprovado, a cobrança deveria ter deixado de ser feita na fatura de energia há três meses.

“A Casa está sendo desrespeitada. Quando saiu no Diário Oficial e nós comunicamos à Energisa, já faz três meses, e a Energisa e a Prefeitura continuam cobrando dos moradores da zona rural e dos moradores da cidade a sobretaxa imposta pelo prefeito”, contou o parlamentar.

Indignado com a postura da concessionária de energia, Marcelo considerou que a resposta da Energisa para manter a cobrança foi fajuta, pois disse que teria de ser comunicada pela Prefeitura.

“A Energisa mandou uma resposta fajuta para essa Casa, dizendo que para deixar de cobrar teria que a Prefeitura comunicar. Protocolamos na Energisa toda a documentação necessária para que ela ficasse acobertada, mostrando que não poderia continuar cobrando e a Energisa permanece cobrando”, falou o vereador.

Marcelo disse que já procurou o Ministério Público para cobrar uma atitude para que seja respeitado o Decreto Legislativo aprovado pelo colegiado. Bandeira falou ainda que vai lutar para que a Energisa possa, ao menos, garantir crédito na fatura das cobranças indevidas feitas nos últimos três meses.

O vereador ainda comentou em seu pronunciamento que o usuário até poderia acionar a Justiça o ressarcimento das cobranças feitas indevidamente, desde a edição do decreto de Toscano.

Posted by Jota Alves on Tuesday, November 6, 2018

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Guarabira abre os 100 Anos de Jackson do Pandeiro com 3 atrações temáticas abertas ao público
Notícias
0 shares23 views
Notícias
0 shares23 views

Guarabira abre os 100 Anos de Jackson do Pandeiro com 3 atrações temáticas abertas ao público

Jota Alves - jan 13, 2019

Paraibano de Alagoa Grande, Jackson nasceu em 31 de agosto de 1919, no Engenho Tanques, com o nome de José Gomes Filho

Lucena divulga edital de concurso público com mais de 90 vagas
Notícias
0 shares23 views
Notícias
0 shares23 views

Lucena divulga edital de concurso público com mais de 90 vagas

Jota Alves - jan 13, 2019

Os salários variam de R$ 998 a R$ 1.835,37, sendo os cargos de professor A e professor B os que têm maior salário

Governo estuda enviar proposta única de reforma da Previdência
Política
0 shares19 views
Política
0 shares19 views

Governo estuda enviar proposta única de reforma da Previdência

Jota Alves - jan 13, 2019

Isso não significa que os militares serão incluídos na reforma preparada pelo governo Jair Bolsonaro