Marginais que fizeram arrastão em Alagoa Grande são presos pela polícia

Autores do crime e o material apreendido foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil

junho 29, 2017
519 Visualizações

Poucas horas depois de um roubo praticado na noite desta quarta-feira (28), no centro da cidade de Alagoa Grande, policiais militares e civis prenderam dois acusados, apreenderam um revólver calibre 38 e recuperaram os quatro aparelhos de telefone celular que tinham sido levados das vítimas, numa ação criminosa conhecida como arrastão.

Policiais civis da 8ª Delegacia Seccional receberam informações sobre os supostos acusados do roubo e, junto com policiais da 2ª Companhia do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar), realizaram a ação de forma integrada e que, de forma rápida, deu uma resposta à sociedade.

Pedro Alves Barbosa, de 22 anos, e Gerlan Inácio Gonçalves da Silva, 18 anos, autores do crime, e o material apreendido foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil.

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Hospital Regional de Guarabira comemora o milésimo parto em 100 dias
Notícias
0 shares14 views
Notícias
0 shares14 views

Hospital Regional de Guarabira comemora o milésimo parto em 100 dias

Jota Alves - abr 19, 2019

A maternidade do HRG é uma referência na região, atendendo 25 cidades do Brejo e agreste paraibano

Mari: prefeito Antônio Gomes distribui 10 toneladas de peixes na Semana Santa
Notícias
0 shares23 views
Notícias
0 shares23 views

Mari: prefeito Antônio Gomes distribui 10 toneladas de peixes na Semana Santa

Jota Alves - abr 19, 2019

O prefeito falou da alegria de estar junto da comunidade, em mais um ano da Semana Santa, e poder oferecer condições para que a população possa participar dos festejos religiosos

Ministro do STF, Alexandre de Moraes recua e revoga censura a sites
Notícias
0 shares16 views
Notícias
0 shares16 views

Ministro do STF, Alexandre de Moraes recua e revoga censura a sites

Jota Alves - abr 19, 2019

Em mensagem divulgada nesta quinta-feira, o ministro Celso de Mello chamou a censura de intolerável e disse que é uma perversão da ética do direito