Melquiades cria taxa para abate de animais e Darc ironiza: “é só o começo”

O comunicado expedido não informa o valor exato da taxa

janeiro 9, 2017
824 Visualizações

Situação e oposição em Mulungu começaram 2017 em pé de guerra. O palanque continua armado.

A decisão do prefeito Melquiades Nascimento (PTB) de instituir uma taxa para o abate de animais no Matadouro de Mulungu provocou uma reação da ex-prefeita Darc Bandeira (PSB), que utilizando as redes sociais alfinetou: “primeira ação da atual gestão de Mulungu para os marchantes. Tá só começando”.

Logo, os aliados de Melquiades revidaram a ex-prefeita e lembraram que ela instituiu a taxa de iluminação pública. O suplente de vereador Décio do Castro postou: “e a sua foi colocar a taxa de iluminação pública ex prefeita. Aceite a derrota que doe menos”.

O comunicado expedido não informa o valor exato da taxa, mas informações colhidas pelo ManchetePB dão conta de que o valor é de 30 reais por animal.

Tentamos ouvir a gestão atual, mas não obtivemos exito.

Fonte: Rafael San/ManchetePB

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria
Notícias
0 shares26 views
Notícias
0 shares26 views

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria

Jota Alves - jul 26, 2017

O curso de confeccionador de bijuteria reforça o compromisso da Gestão Municipal em contribuir para a qualificação profissional

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas
Notícias
0 shares331 views
Notícias
0 shares331 views

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas

Jota Alves - jul 26, 2017

“Continuamos a pagar dentro do mês trabalhado desde o início”, destacou Ricardo na publicação

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade
Política
0 shares194 views
Política
0 shares194 views

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade

Jota Alves - jul 26, 2017

No mérito, o relator disse que a ré não comprovou, documentalmente, a sua inocência quanto à legalidade de pagamentos de despesas com dinheiro público no valor de R$ 43,7 mil