O Crânio de Luzia

Pedros, Josés, Marias, Franciscas e Severinas, vivíssimos, que, dentre tantos outros filhos da pátria, foram desrespeitados

setembro 5, 2018
529 Visualizações

Por Alexandre Moca

 

O crânio de Luzia não foi consumido pelas chamas. Não, não falo do crânio multimilenar,  fossilizado e guardado durante anos no Museu Nacional, queimado  no último domingo.

O crânio de Luzia guardava em si próprio um tesouro  antropológico, com milhares de enigmas ainda por decifrar.

Um único achado arqueológico capaz de conter uma grande concentração de respostas ainda a ser dadas pela ciência, principalmente sobre a origem do homem americano e que  foi transformado em cinzas pela incompetência e descuido de um homem mais recente, o homem brasileiro.

Falo dos crânios das Luzias, Joãos, Pedros, Josés, Marias, Franciscas e Severinas, vivíssimos, que,  dentre tantos outros filhos da pátria, foram desrespeitados, enquanto engenhos de pensar, durante a apresentação de ontem (04/09/2018) do Jornal Nacional.

Esses brasileiros nos quais me incluo, viram os apresentadores do mais importante noticioso da Globo, fazerem cara de “não fomos nós”, ao anunciar, em nota cheia de dedos e “entre  aspas” como lhes é peculiar, a decisão do IBOPE de não divulgar o resultado da pesquisa eleitoral para presidente feita esta semana, em respeito a suposta decisão do TSE.

É como se o cérebro das Luzias vivas e de tantos outros brasileiros, que mesmo não sendo fãs do telejornal da platinada, continuam assistindo apenas para  saber   até que ponto vai chegar a desfaçatez. É como se o combustível do jornalismo subliminar e rasgadamente tendencioso, praticado pelos cartéis da comunicação no Brasil, tivesse queimado o discernimento e a capacidade reflexiva de grande parte do povo brasileiro.

Um jornalismo cuja fachada é composta por apresentadores como William Bonner e Renata Vasconcelos, canastrões enquanto atores, a teatralizar uma farsa decadente, incapaz de resistir ao ataque colérico de um eunuco moral, de um celerado como Jair Bolsonaro, em horário nobre, diante da nação das Luzias de carne e osso,   enojadas com tanta truculência.

A pesquisa foi feita, só não foi divulgada. Aqueles que a encomendaram e pagaram por ela (Globo e o Estadão) ficaram cientes do seu resultado, só não lhes interessou divulgar. Essa é a realidade.

Alguém, em sã consciência, acredita que se os resultados da prospecção eleitoral desta semana avalizassem a tese golpista eles não seriam divulgados ? Que não seriam levados ao público de forma bombástica, quem sabe até em edição extraordinária?

Se a pesquisa revelasse outro resultado fora do imaginável pela tendência eleitoral  esboçada até hoje; se o esforço golpista e em constante movimento da grande imprensa fosse finalmente recompensado, duvide-o-dó que ficassem guardados numa gaveta.

O que sofreria legalmente  o IBOPE se ele apenas fez a pesquisa, repassando o fruto do seu trabalho para O Estadão e a Globo, que a encomendaram e pagaram por ela? Seriam apenas encarregadas da divulgação.

Se o resultado aferido pela pesquisa indicasse a vitória de um candidato alinhado com os grandes veículos de comunicação e com os agiotas dos grandes   bancos e da FIESP. Se, mesmo assim, o que não é provável, o TSE insistisse em proibir a divulgação dos resultados, imagino até como seria o editorial do Jornal Nacional.

William Bonner abriria dizendo assim: Abre aspas. “As organizações Globo cumprem o dever histórico e democrático,  a despeito de decisão adversa proferida pelo TSE, vedando a divulgação do resultado da pesquisa realizada pelo IBOPE, entre os dias tais e tais, divulgar os seus números. Com respeito à Justiça, porém com mais respeito ainda ao nosso telespectador e à opinião pública, divulgaremos o criterioso trabalho feito pelo IBOPE. Estamos tomando as providências jurídicas que nos cabem nesse momento. Agimos com a  consciência de quem sempre defendeu, ao longo da existência enquanto empresa, a boa prática jornalística, em constante sintonia com a verdade dos fatos e em consonância com os princípios democráticos que devem balizar  os anseios não só desta empresa, mas do povo brasileiro” Fecha aspas.

Acho que é o mesmo redator de tantas outras notas, inclusive a que pede desculpa ao povo brasileiro pelo apoio ao golpe militar de 64.

Portanto, assim seria.

Um solene PQP para o TSE, para a democracia e para o crânio das Luzias, que metaforicamente nada mais representa que o crânio da grande maioria do nosso povo.

Alexandre Henriques é cronista, fotógrafo-multimídia

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Em fim de carreira, Roberto Paulino diz que tem vergonha do seu partido
Política
0 shares52 views
Política
0 shares52 views

Em fim de carreira, Roberto Paulino diz que tem vergonha do seu partido

Jota Alves - set 25, 2018

Paulino revelou que as eleições deste ano serão as últimas de sua carreira política e que fará um livro sobre o pleito deste ano

Mototaxista é assassinado com disparos de arma de fogo em Guarabira
Policial
0 shares2601 views
Policial
0 shares2601 views

Mototaxista é assassinado com disparos de arma de fogo em Guarabira

Jota Alves - set 25, 2018

Viaturas das polícias Militar e Civil estão em diligências na tentativa de localizar e preder os suspeitos

Mulungu: prefeito demite funcionária que não participava de eventos de seus candidatos
Política
0 shares1070 views
Política
0 shares1070 views

Mulungu: prefeito demite funcionária que não participava de eventos de seus candidatos

Jota Alves - set 25, 2018

Depois de ser publicada, a postagem vem recebendo inúmeros comentários contra o ato de perseguição política