O Luiz que a PF está atrás para avançar em investigação contra Cássio

Ex-funcionário de Cássio Cunha Lima foi apontado por executivo da Odebrecht como intermediário de R$ 800 mil repassados ao parlamentar

abril 10, 2018
380 Visualizações

A Polícia Federal apresentou ao delator Alexandre Barradas, do grupo Odebrecht, uma foto de Luiz Stern, ex-funcionário do gabinete do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e exonerado em março do ano passado. Barradas viu a imagem e não descartou Stern como o “Luiz” que afirma ter sido apresentado a ele pelo parlamentar para negociar o repasse de R$ 800 mil da empreiteira durante a campanha derrotada ao governo da Paraíba.

Segundo o colaborador, a apresentação ocorreu no gabinete do Senado entre abril e maio de 2014. Em depoimento à PF, Cunha Lima negou que os tenha apresentado. O ministro Gilmar Mendes, relator do inquérito contra o tucano no Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu à PF mais 60 dias de prazo para localizar e interrogar Stern.

Fonte: Época Online

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Serra da Raiz: Noronha Monteiro vai ao TCE-PB e MPF apresentar denúncia contra Adailma
Política
0 shares31 views
Política
0 shares31 views

Serra da Raiz: Noronha Monteiro vai ao TCE-PB e MPF apresentar denúncia contra Adailma

Jota Alves - jun 20, 2019

De acordo com postagem feitas em redes sociais, as possíveis irregularidades são em processos licitatórios

“Não tenho apego ao cargo, se houver irregularidades, eu saio”, diz Moro na CCJ do Senado
Política
0 shares26 views
Política
0 shares26 views

“Não tenho apego ao cargo, se houver irregularidades, eu saio”, diz Moro na CCJ do Senado

Jota Alves - jun 20, 2019

Segundo o site The Intercept Brasil, as mensagens foram trocadas entre 2015 e 2018 e obtidas a partir da invasão de aparelhos dos procuradores por hackers

Prefeito que convocou comissionados para show da noiva é preso
Política
0 shares34 views
Política
0 shares34 views

Prefeito que convocou comissionados para show da noiva é preso

Jota Alves - jun 20, 2019

A Operação Harpalo começou em dezembro de 2018 e investiga o superfaturamento em contratos da prefeitura de Camaragibe