Paraibana grávida de três meses continua desaparecida em escombros de prédios no Rio

Nascida em Campina Grande, a vítima mora no Rio há pelo quase 20 anos.

abril 14, 2019
48 Visualizações

Ana Paula Rodrigues, de 37 anos, está esperando seu terceiro filho e foi a única de sua família que estava no apartamento no momento do desabamento do prédio na comunidade Muzema, no Rio de Janeiro. Nascida em Campina Grande, a vítima mora no Rio há pelo quase 20 anos.

Além de Ana Paula, seu marido e dois filhos moravam na unidade. A filha Carol, de 15 anos, conversou com o Portal MaisPB e explicou que ela estava na escola, o pai estava na rua com seu irmão, também filho de Ana.

Esperançosa, a menina acredita que a mãe ainda está viva. “Só quero encontrar ela logo”, explicou a adolescente, que contou ainda que o pai está próximo aos escombros aguardando alguma novidade.  “Ele não sai de lá por nada”, disse.

Além de Ana Paula, Ana Flávia Pereira e seu bebê, Jeferson Trajano, sua esposa Carla e seus dois filhos seguem desaparecidos.

Fonte: MaisPB

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Projeto de Camila cria Política de Diagnóstico e Tratamento da Depressão
Política
0 shares13 views
Política
0 shares13 views

Projeto de Camila cria Política de Diagnóstico e Tratamento da Depressão

Jota Alves - abr 21, 2019

O projeto prevê ainda a realização de pesquisas visando ao diagnóstico precoce da depressão e seus distúrbios

Annita grava música com Madonna em álbum que será lançado em julho
Notícias
0 shares21 views
Notícias
0 shares21 views

Annita grava música com Madonna em álbum que será lançado em julho

Jota Alves - abr 21, 2019

A brasileira também contou que chorou muito ao ouvir pela primeira vez como ficou a parceria entre as duas em “Faz Gostoso”

Começa nesta segunda campanha de vacinação contra a Gripe
Notícias
0 shares19 views
Notícias
0 shares19 views

Começa nesta segunda campanha de vacinação contra a Gripe

Jota Alves - abr 21, 2019

A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus