Paraibana grávida de três meses continua desaparecida em escombros de prédios no Rio

Nascida em Campina Grande, a vítima mora no Rio há pelo quase 20 anos.

abril 14, 2019
72 Visualizações

Ana Paula Rodrigues, de 37 anos, está esperando seu terceiro filho e foi a única de sua família que estava no apartamento no momento do desabamento do prédio na comunidade Muzema, no Rio de Janeiro. Nascida em Campina Grande, a vítima mora no Rio há pelo quase 20 anos.

Além de Ana Paula, seu marido e dois filhos moravam na unidade. A filha Carol, de 15 anos, conversou com o Portal MaisPB e explicou que ela estava na escola, o pai estava na rua com seu irmão, também filho de Ana.

Esperançosa, a menina acredita que a mãe ainda está viva. “Só quero encontrar ela logo”, explicou a adolescente, que contou ainda que o pai está próximo aos escombros aguardando alguma novidade.  “Ele não sai de lá por nada”, disse.

Além de Ana Paula, Ana Flávia Pereira e seu bebê, Jeferson Trajano, sua esposa Carla e seus dois filhos seguem desaparecidos.

Fonte: MaisPB

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Bolsa fecha pela primeira vez na história acima dos 100 mil pontos
Notícias
0 shares7 views
Notícias
0 shares7 views

Bolsa fecha pela primeira vez na história acima dos 100 mil pontos

Jota Alves - jun 19, 2019

No mercado de câmbio, o dólar comercial caiu 0,25% e foi vendido a R$ 3,85.

TJPB absolve homem que conseguiu provar relação familiar sólida com adolescente de 14 anos
Notícias
0 shares19 views
Notícias
0 shares19 views

TJPB absolve homem que conseguiu provar relação familiar sólida com adolescente de 14 anos

Jota Alves - jun 19, 2019

A gravidez, segundo os autos, resultou de relações sexuais da adolescente com o apelante, que iniciou um relacionamento amoroso, quando a então ofendida contava com 13 anos.

Lei proíbe corte de energia, água e telefonia nos finais de semana e feriados na PB
Política
0 shares22 views
Política
0 shares22 views

Lei proíbe corte de energia, água e telefonia nos finais de semana e feriados na PB

Jota Alves - jun 19, 2019

Segundo a lei, o consumidor que tiver o fornecimento de água, energia ou telefonia suspenso nos dias proibidos poderá acionar juridicamente a empresa concessionária por perdas e danos.