Prefeitura poda árvores em Mulungu e moradores criticam gestão

Os moradores da localidade criticaram nas redes sociais a forma como foi realizado o serviço

janeiro 9, 2017
1266 Visualizações

O prefeito da cidade de Mulungu, Melquíades Nascimento (PTB), está nos primeiros dias de sua gestão e algumas atitudes já estão repercutindo negativamente na sociedade local.

A primeira polêmica envolveu marchantes da cidade. Um comunicado foi divulgado pela gestão dando conta da criação de uma taxa para abate de animais no matadouro público. O documento não especifica valores, nem mesmo a Câmara de Vereadores tomou ciência da instituição da taxa.

Uma outra medida que provocou polêmica foi em relação da poda feita nas árvores localizadas no distrito de Gravatá. Os moradores da localidade criticaram nas redes sociais a forma como foi realizado o serviço e dizem ter havido excesso, visto que os galhos foram todos retirados, praticamente sacrificando as árvores, quando deveria se preservar o verde existente na cidade.

 

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria
Notícias
0 shares26 views
Notícias
0 shares26 views

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria

Jota Alves - jul 26, 2017

O curso de confeccionador de bijuteria reforça o compromisso da Gestão Municipal em contribuir para a qualificação profissional

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas
Notícias
0 shares335 views
Notícias
0 shares335 views

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas

Jota Alves - jul 26, 2017

“Continuamos a pagar dentro do mês trabalhado desde o início”, destacou Ricardo na publicação

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade
Política
0 shares194 views
Política
0 shares194 views

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade

Jota Alves - jul 26, 2017

No mérito, o relator disse que a ré não comprovou, documentalmente, a sua inocência quanto à legalidade de pagamentos de despesas com dinheiro público no valor de R$ 43,7 mil