Trio suspeito de matar Paulo Maconha é preso em ação das polícias Militar e Civil

dezembro 21, 2016
274 Visualizações

presos

A Polícia Civil da 8ª DSPC/Guarabira, através do Grupo Tático Especial, coordenado pelo delegado Hugo Lucena, em ação conjunta com a Polícia Militar do IV BPM, prendeu em flagrante na manhã desta quarta-feira (21) Jefferson Joaquim de Araújo, vulgo “Rachudo” (20 anos), Anderson Pereira de Souza, vulgo “Du” (18 anos) e Adailton Dantas dos Santos, vulgo “Tiziu” (18 anos). Segundo a polícia, os presos foram autores do crime de homicídio ocorrido no Bairro do Rosário na cidade de Guarabira/PB no último sábado, dia 18/12/2016, por volta das 19h20min.

Na ação criminosa, os três elementos presos e outros já identificados pela policia ceifaram a vida de Paulo César Felix (40 anos), conhecido no submundo do crime como Paulo Maconha, ao alvejar a vítima com vários disparos de arma de fogo, atingindo tórax e cabeça da vítima. Consta da investigação policial que a motivação para o assassinato teria sido desentendimentos anteriores entre a vítima e seus algozes.

Com informações do Portal Mídia e da PM 

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria
Notícias
0 shares26 views
Notícias
0 shares26 views

Município de Mari, através do CRAS, realiza curso de confeccionador de bijuteria

Jota Alves - jul 26, 2017

O curso de confeccionador de bijuteria reforça o compromisso da Gestão Municipal em contribuir para a qualificação profissional

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas
Notícias
0 shares334 views
Notícias
0 shares334 views

Pagamento do mês de julho dos servidores estaduais tem datas definidas

Jota Alves - jul 26, 2017

“Continuamos a pagar dentro do mês trabalhado desde o início”, destacou Ricardo na publicação

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade
Política
0 shares194 views
Política
0 shares194 views

Prefeita de Serra da Raiz é condenada a 4 anos de prisão por crime de responsabilidade

Jota Alves - jul 26, 2017

No mérito, o relator disse que a ré não comprovou, documentalmente, a sua inocência quanto à legalidade de pagamentos de despesas com dinheiro público no valor de R$ 43,7 mil

Leave a Comment

Your email address will not be published.