Zenóbio tenta impedir comício de João Azevêdo em Guarabira e Justiça Eleitoral garante evento

Presidente do PSB em Guarabira e candidato a deputado estadual, Célio Alves criticou a postura do prefeito

setembro 14, 2018
3627 Visualizações

João Azevêdo realiza comício em Guarabira, nesta sexta

A gestão do prefeito de Guarabira, Zenóbio Toscano (PSDB), tentou impedir que a coligação do candidato João Azevêdo (PSB) montasse a estrutura de palco, som e iluminação para realização de comício na cidade, agendado para esta sexta-feira (14).

De acordo com o advogado Paulo Cardoso, que representa a coligação do candidato em Guarabira, as autoridades foram comunicadas da realização do evento político e do local, mas o órgão municipal de trânsito (STTRANS) disse não ter conhecimento, mesmo tendo sido comunicado. A Justiça Eleitoral foi acionada e determinou que a estrutura fosse montada e o evento realizado.

“A pesar de comunicarmos à Justiça Eleitoral, à Polícia Militar e ao órgão municipal de trânsito, dentro do prazo de 48 horas, estabelecido em portaria, o órgão de trânsito informou que não sabia desse ato. Então, nós, com o protocolo em mãos, mostramos ao superintendente de trânsito e mesmo assim ele não quis permitir a montagem para o evento. Tivemos de recorrer ao judiciário e através da juíza eleitoral houve uma determinação judicial, onde fomos em companhia de um oficial de justiça para fazer cumprir o determinado”, disse Paulo.

Ainda segundo o advogado da coligação do PSB, a tentativa de impedir a realização foi frustrada pela Justiça, mas mesmo assim houve prejuízo, em razão do tempo de três horas que se perdeu para montar a estrutura, visto que somente depois de três horas é que foi iniciada a montagem.

Presidente do PSB em Guarabira e candidato a deputado estadual, Célio Alves criticou a postura do prefeito de tentar impedir uma atividade de campanha de João Azevêdo, classificou de arbitrária e prepotente, disse que Zenóbio não está fazendo campanha para seus candidatos devido ao desgaste que sofre na cidade e por isso quer impedir que os outros candidatos façam campanha.

“Ocorreu uma manifestação inequívoca de arbítrio, de abuso de poder, de prepotência, que são comportamentos, atitudes que caracterizam bem o político Zenóbio Toscano. Ele não está fazendo campanha nas ruas para pedir votos para seus candidatos porque sabe da sua rejeição em Guarabira a ele, devido às mentiras de 2012, de 2016 e do próprio desgaste ao longo desses 40 anos de poder, e por essa razão que impedir que os outros candidatos, a exemplo de João Azevêdo, de Célio Alves, que tem o que dizer, o que apresentar ao povo de Guarabira, façam campanha”, disse Célio.

Célio Alves ainda falou que o episódio ocorrido manhã de hoje o deixou motivado para fazer ainda mais campanha e para derrotar o prefeito, que representa a velha política.

“Com esse episódio nós estamos ainda mais motivados, não apenas para fazer campanha, mas para derrotar o prefeito de Guarabira e toda a velha política que ele representa de forma tão autêntica”, destacou o dirigente partidário.

Da Assessoria

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Guarabira: prefeito Zenóbio Toscano abandona prédio do CAIC
Notícias
0 shares20 views
Notícias
0 shares20 views

Guarabira: prefeito Zenóbio Toscano abandona prédio do CAIC

Jota Alves - maio 17, 2019

Nas redes sociais, circulam imagens feitas do interior do prédio e também da parte externa, que mostram a situação degradante

Ministro da Economia diz que poderá faltar dinheiro para pagamento do Bolsa Família
Política
0 shares13 views
Política
0 shares13 views

Ministro da Economia diz que poderá faltar dinheiro para pagamento do Bolsa Família

Jota Alves - maio 17, 2019

Guedes reforçou a necessidade de aprovação da reforma da Previdência e disse que o crescimento desses gastos pode impedir a tentativa do governo de “salvar o País”

Ex-ministro: José Dirceu deve se entregar à PF em Curitiba até amanhã
Política
0 shares25 views
Política
0 shares25 views

Ex-ministro: José Dirceu deve se entregar à PF em Curitiba até amanhã

Jota Alves - maio 16, 2019

O mandado de prisão foi assinado e enviado à Polícia Federal (PF) após o magistrado receber intimação da decisão da segunda instância da Justiça Federal