Pai e filho receberam mais de um milhão de empresas da Lava Jato

março 11, 2015
761 Visualizações

Cássio-e-Pedro-Cunha-LIma

Mais de R$ 1 milhão de reais. Esse foi o montante doado por empresas investigadas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, para campanha eleitoral de dois expoentes do “tucanato” no Estado da Paraíba.

Os contemplados foram o deputado federal mais votado no Estado, Pedro Cunha Lima (PSDB) e seu pai, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que em 2014, disputou o cargo de governador, mas acabou sendo derrotado no 2º turno pelo candidato à reeleição, Ricardo Coutinho (PSB).

Campeão de votos, Pedro, que disputou seu primeiro mandato e, até então, fora o parentesco, era um anônimo na política, recebeu da empresa Odebrech a singela doação de R$ 12.850 durante a campanha eleitoral de 2014.

Seu pai, o senador Cássio, por sua vez, foi melhor prestigiado e emplacou a bagatela de R$ 1 milhão, doados por outras três empresas, também investigadas pela Operação Lava Jato.

O senador paraibano tucano recebeu R$ 500 mil da Queiroz Galvao; R$ 300 mil da OAS e R$ 200 mil da Andrade Gutierres, totalizando R$ 1 milhão.

Todas as empresas citadas como doadoras foram denunciadas pelo doleiro Alberto Yousseff, acusado de ser o operador do esquema que pagava propina a políticos e a partidos políticos.

Apesar do recebimento, até agora, apenas dois paraibanos foram citados oficialmente na lista dos suspeitos de envolvimento no esquema, são eles: Lindebergh Farias (PT) e Aguinaldo Ribeiro (PP). Os nomes da lista estão ligados a pedidos de investigação feita pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, com base em informações da delação premiada do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa.

Aguinaldo Ribeiro, no entanto, demonstrou tranquilidade, informou que o processo que inclui o seu nome foi mandado arquivar, assim como os que citavam os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (PMDB-RR) e defendeu a investigação para o caso.

“O processo específico que cita o meu nome foi mandado arquivar pelo Ministério Público Federal por absoluta falta de elementos enquanto que a outra parte que não foi arquivada eu não tenho conhecimento sobre o caso e irei aguardar o momento oportuno para me pronunciar, só adianto que em 2010 eu era deputado estadual e nem era conhecido nacionalmente. Todavia, prefiro aguardar o teor do inquérito, não tenho nada a temer e acima de tudo defendo a investigação de todas as denúncias” declarou.

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Estudantes de Escola Cidadã Integral de Guarabira se destacam na redação do Enem
Notícias
0 shares66 views
Notícias
0 shares66 views

Estudantes de Escola Cidadã Integral de Guarabira se destacam na redação do Enem

Jota Alves - jan 19, 2019

Diretor da ECI, o professor Tiago Xavier usou seus perfis nas redes sociais para comemorar o resultado

Em delação, ex-ministro Palocci diz que Dilma ‘deu corda’ para Lava Jato implicar Lula
Política
0 shares20 views
Política
0 shares20 views

Em delação, ex-ministro Palocci diz que Dilma ‘deu corda’ para Lava Jato implicar Lula

Jota Alves - jan 19, 2019

Segundo o documento complementar, ao permitir o avanço da Lava Jato, Dilma tentava "sufocar" Lula para que ele desistisse de concorrer à presidência em 2014.

Novo relatório do Coaf aponta 48 depósitos em dinheiro a Flavio Bolsonaro
Política
0 shares18 views
Política
0 shares18 views

Novo relatório do Coaf aponta 48 depósitos em dinheiro a Flavio Bolsonaro

Jota Alves - jan 19, 2019

Os depósitos foram feitos em cinco dias, no serviço de autoatendimento da agência bancária da Assembleia Legislativa do Rio

Leave a Comment

Your email address will not be published.