Deputado federal do PSB, Gervásio quer instalação de CPI para investigar Sérgio Moro

O deputado federal Gervásio Maia (PSB/PB) é um dos integrantes da ala de oposição ao governo Bolsonaro, que torce pela instalação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para investigar as ações do ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, na Operação Lava jato.

O pedido de criação da CPI já foi apresentado e ainda aguarda leitura no Congresso porque está na fase de busca de assinaturas.

Para o deputado, a saída honrada seria o pedido de exoneração do governo pelo próprio Moro porque essa história suspeita do ex-juiz vem se desenhando há vários capítulos desde quando atuou no processo que culminou com a prisão do ex-presidente Lula (PT).

“Ele foi acusado o tempo todo de ser parcial. Ele tinha um lado e não fazia nenhuma cerimônia para esconder isso. A prova maior é que quando terminaram as eleições e Bolsonaro ganhou, ele foi convidado para fazer parte da equipe do governo. Isso não foi uma atitude ética. Até então as críticas continuaram e se acentuaram mais ainda até fora do país. E agora esse capítulo do vazamento das mensagens, que só comprovaram a orquestração de um jogo contra Lula”, disse.

Conforme Gervásio Maia, uma pasta tão importante como o Ministério da Justiça não pode ser ocupada por uma pessoa que não agiu com isenção e o qual foi mostrado para todo país como agiu nesse processo do ex-presidente.

“São acusações graves e ele não pode continuar como ministro de uma Pasta como esta, vai ter que sair do governo. Não tem alternativa para Moro”, avaliou.

O deputado afirma ser de grande importância o avanço da CPI e espera que ela prospere para poder apurar todos esses fatos entre Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol, que atingiu ainda o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.

“É grave o que já foi divulgado, até porque coloca em cheque uma série de coisas. As conversas de bastidores nos trazem uma preocupação muito grande porque se isso tudo for verdade, vai muito mais adiante do que se imagina. É um momento muito difícil para o país. É preciso que os poderes tenham muita sabedoria nas decisões que precisarão ser tomadas nesse triste episódio”, destacou.