Juízes do Trabalho da PB paralisam atividades esta semana

novembro 5, 2012
131 Visualizações

Os magistrados da Justiça do Trabalho da Paraíba aderiram ao movimento nacional que paralisará as atividades nos dias 7 e 8 de novembro, para chamar a atenção para a desvalorização de suas carreiras, que sofreram perdas remuneratórias de 28,86% desde 2005, quando foi implantado o subsídio em parcela única. Os juízes também não participarão da Semana Nacional de Conciliação do CNJ, de 7 a 14 de novembro, como forma de protesto à situação remuneratória. As conciliações serão retomadas após o dia 14 de novembro, reafirmando os juízes o seu compromisso histórico com uma prestação jurisdicional célere e eficiente. O movimento é liderado pelas duas maiores entidades de classe das categorias, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe).

O juiz Adriano Dantas, presidente da Associação dos Magistrados do Trabalho da 13ª Região (Amatra 13-PB), revela que “o objetivo do movimento é a implementação de mecanismos que corrijam o quadro de desprofissionalização e desencanto remuneratório, repondo as perdas inflacionárias e valorizando o tempo de serviço. Queremos apenas o cumprimento da Constituição, com a implementação das revisões anuais da nossa remuneração e a reposição das perdas decorrentes da inflação. Esse direito é assegurado a todos os trabalhadores e não há razão para negá-lo aos Magistrados. A inflação, embora baixa, ainda é uma realidade no Brasil e nos últimos 6 anos já corroeu mais de 1/3 do nosso poder aquisitivo”, explica o representante da categoria na Paraíba.

Os magistrados da União apoiam a prática da conciliação, medida que desafoga a Justiça com a solução de litígios mediante acordos, desde que conscientes e justos. Na Justiça do Trabalho a conciliação é princípio, com índices médios de sucesso de cerca de 40% em primeira audiência. Os juízes do Trabalho conciliam todos os dias, ainda que o processo não esteja com audiência designada. A gravidade de situação remuneratória, porém, exige uma resposta dos magistrados aos Poderes constituídos.

A estrutura da carreira apresenta ainda deficiências estruturais como a ausência de progressão funcional. Juízes em fase adiantada ou mesmo em final de carreira contam com vencimentos idênticos aos percebidos no início da carreira. O exercício de funções administrativas e cumulação de jurisdição sem remuneração são outros motivos de desestímulo aos magistrados.

Em flagrante desrespeito à Constituição Federal, o Poder Executivo não encaminhou ao Congresso, no ano passado, a proposta orçamentária do Poder Judiciário que assegurava o reajuste do subsídio. Neste ano, a proposta do Judiciário foi indevidamente reduzida.

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a Associação Nacional dos Juízes da Justiça do Trabalho (Anamatra) continuam abertas ao diálogo institucional, na busca de uma solução consensual para a reposição das perdas inflacionárias que corroem a remuneração dos magistrados. A paralisação será, além de uma demonstração da mobilização dos juízes, um momento para a reflexão e o debate na busca de uma saída para o impasse estabelecido. Nenhum trabalhador, juízes incluídos, pode viver pacificamente com perda salarial de quase um terço do valor real de sua remuneração. Desde 2005 os juízes da União tiveram apenas 9% de reposição salarial.

As entidades, que representam cerca de 5 mil juízes, ainda não sabem qual será a taxa de adesão, mas ressaltam que nos referidos dias (7 e 8), os juízes deixarão de realizar audiências, mas comparecerão às unidades judiciárias e atenderão a casos emergenciais. No restante da semana não serão homologados acordos, no sentido de boicotar a Semana Nacional de Conciliação, que é realizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde 2006 e neste ano será de 7 a 14 de novembro. No ano passado, as duas justiças realizaram quase 110 mil audiências e cerca de 50 mil acordos, que totalizaram R$ 748 milhões.

Os juízes da União não concordam com a corrosão dos vencimentos nos últimos anos devido à inflação. Eles argumentam que, embora a Constituição preveja revisão anual dos subsídios, houve apenas um reajuste de 9% desde 2005.

A categoria não concordou com o percentual oferecido pelo Executivo aos servidores federais em agosto deste ano, de 15,8% até 2015, e pede readequação para 28,86% apenas em relação às perdas dos anos anteriores.

Caberá ao Congresso Nacional bater o martelo sobre a taxa final de reajuste, e as entidades prometem procurar parlamentares durante a paralisação para negociar um novo patamar salarial. Os magistrados também querem negociar a atualização dos salários de acordo com o tempo de serviço.

Fonte: Parlamentopb

Comente esta matéria

Você também pode gostar

“Célio tem demonstrado ser um defensor inconteste da região”, afirma Gilson Cândido
Política
0 shares42 views
Política
0 shares42 views

“Célio tem demonstrado ser um defensor inconteste da região”, afirma Gilson Cândido

Jota Alves - ago 21, 2017

Gilson repercutiu a pré-candidatura de Célio Alves a deputado estadual, chancelada pelo governador Ricardo Coutinho

Em campanha, caravana de Lula terá atos em João Pessoa e Campina Grande
Política
0 shares30 views
Política
0 shares30 views

Em campanha, caravana de Lula terá atos em João Pessoa e Campina Grande

Jota Alves - ago 21, 2017

Para o presidente do PT na Paraíba, Jackson Macedo, apesar do momento de turbulência política, a passagem de Lula é motivo de grande alegria

Temer acusa Veneziano de desmoralizá-lo e releva oposição de Ricardo
Política
0 shares40 views
Política
0 shares40 views

Temer acusa Veneziano de desmoralizá-lo e releva oposição de Ricardo

Jota Alves - ago 21, 2017

O presidente chamou a sua relação com o governador Ricardo Coutinho de 'republicana', e disse que o foco do seu trabalho é o povo da Paraíba

Leave a Comment

Your email address will not be published.