Palhaço é preso em Guarabira suspeito de estuprar uma menina de 12 anos

imagem ilustrativa extraída da internet

Nesta segunda-feira (17), um palhaço que atua no Circo Polar foi preso suspeito de estupro de vulnerável, ocorrido no bairro Mutirão, em Guarabira, onde encontra-se instalado o circo. A vítima foi uma menina de 12 anos de idade, que de acordo com a própria mãe, desde os 10 anos de idade, já havia tido relações sexuais com meninos do bairro.

O caso teria ocorrido na última sexta-feira (14), mas somente nesta segunda-feira o caso foi levado ao conhecimento do Conselho Tutelar, através de denúncia da mãe da garota. A polícia foi acionada e prendeu, no local de trabalho, o artista circense André Bezerra dos Santos, de 28 anos, que utiliza o pseudônimo de ‘Palhaço Pirrito’.

Em depoimento na delegacia, o artista disse que a menina se encantou pelos seus olhos claros, disse que havia se separado do marido e estava apaixonada. Ele confirmou que manteve relações sexuais duas vezes e disse não saber que ela contava apenas 12 anos, pois teria lhe informado que sua idade seria 17 anos.

“Ela me disse que iria fazer 8 anos, que deixou o marido porque batia nela e a mãe na liga pra ela e acabou me complicando. Eu sou um pai de família, trabalho no circo, fiquei com ela duas vezes. Ela negou a idade dela pra mim e quem não deve não teme”, disse Pirrito.

Em entrevista ao repórter Zé Roberto, da Rádio Constelação FM, a mãe da menina confirmou que ela já mantinha relações sexuais desde os 10 na os de idade.

“Quando eu soube eu tomei um choque, uma menina se entregar desse jeito para um pirralho, um menino que morava perto de casa. Naquela época ela tinha 10 anos e hoje tem 12. Ele morou dois meses com um rapaz em Cuitegi e mãe do rapaz botou ela pra fora de casa. Agora ela disse que iria para o circo, depois disse que estava gostando do palhaço. Minhas amigas disseram que eu podia me prejudicar e resolvi chamar o Conselho Tutelar”, contou a mãe.

André ficou sob custódia policial numa cela da delegacia de Polícia civil e passará por audiência de custódia para que o juízo da vara de Execuções Penais decida o destino do palhaço. Provavelmente ele que deve ser encaminhado a um presídio, pela prática de estupro de vulnerável, mesmo com o consentimento da vítima.

Os que mantiveram relações sexuais com a menina anteriormente também devem ser intimados para prestar esclarecimentos e existe a possibilidade de também responderem pelos atos praticados.