“Quem ouve rádio quer companhia”, diz Boechat sobre o perfil de radialista que aprecia

outubro 25, 2012
161 Visualizações

Âncora há sete anos da rádio BandNews FM, sempre das 7h às 9h, de segunda a sexta-feira, Ricardo Boechat tem uma política clara de como seus ouvintes devem ser tratados. “Quem ouve rádio quer companhia, quer alguém com a qual possa se abrir, que vá ouvi-lo e aceitar sua crítica”.

Ele que tem boa parte de seus 40 anos de profissão alicerçados no jornal impresso e na TV, comemora no próximo dia 7 de novembro, uma profissão que leva há “apenas nove anos”: a de radialista. Em entrevista exclusiva à IMPRENSA, Boechat defende a necessidade da constante interação com o ouvinte e aponta alguns caminhos para o futuro do rádio.

IMPRENSA: Qual é o perfil do profissional do rádio de hoje?

Ricardo Boechat: Em São Paulo os ouvintes me escrevem dizendo que o tipo de programa que fazemos na BandNews FM, especialmente o que eu faço durante a manhã, é um modelo que lembra muito um programa chamado “O Trabuco”, dos anos 1960 e 1970. Havia uma peculiaridade deste programa porque sempre que ele encerrava, havia um camburão na porta da rádio para levar o radialista Vicente Leporace, responsável e criador do programa, por causa de suas duras críticas.

Não acredito que haja um padrão de radialista hoje da mesma forma que existe um padrão entre os apresentadores de telejornal, que todos são igualmente bananas, dentre os quais eu mesmo. Só leem textos e encaminham a apresentação de VTs. Não interagem com os conteúdos, não se expressam, não variam, não improvisam, não fazem nada.

No rádio passou a existir uma linguagem um pouco diferente da anterior, mas não de postura. Você sempre teve no rádio um diálogo com a audiência que a televisão jamais teve, até pela natureza do veículo, por sua instantaneidade.

IMPRENSA: Até que ponto a identificação com o âncora influência na audiência da rádio?

Certa vez estava em um debate de rádio e alguém do Grupo Bandeirantes disse algo que levo como lema. “Quem ouve rádio quer companhia”. Ele quer alguém com o qual possa se abrir, que vá ouvi-lo e aceitar sua crítica, que não vai te trai-lo. Esta é a proposta que levo.

IMPRENSA: Qual é a tendência para o rádio para os próximos anos?

Eu ouvi que o rádio iria morrer várias vezes ao longo da minha vida. E ele está vivendo um momento glorioso, ainda bem, para todo mundo. O que eu tenho dito para estudantes e colegas de profissão é que vivemos em uma era que dá ao cidadão a possibilidade de ser propagador do fato. O que os grandes grupos de comunicação foram durante um longo tempo? Detentores de uma chancela histórica, cultural, que lhes dava o monopólio, exclusividade de propagar determinado fato.

O que aconteceu com as novas mídias? Cada testemunha ocular da história, mesmo que seja um assalariado comum, tem um celular com acesso a internet que filma, grava e fotografa. Acho fascinante tudo isso. Não se trata mais de apenas colaboração do ouvinte, mas de apropriação mesmo da notícia. A tecnologia vai dar ao cidadão o poder de ser o dono do fato e de sua difusão.

PortalImprensa, por Danubia Guimarães

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Entre Guarabira e Araçagi, viatura da Polícia Militar capota
Policial
0 shares56 views
Policial
0 shares56 views

Entre Guarabira e Araçagi, viatura da Polícia Militar capota

Jota Alves - jun 26, 2017

O condutor da viatura, o soldado Cássios, disse que estava com destino à cidade de Araçagi (PB) para dar apoio ao tenente Galdino, quando teve que realizar uma manobra arriscada

Guarabira: mulheres tentam entrar com maconha nas partes íntimas e presas em flagrante
Policial
0 shares29 views
Policial
0 shares29 views

Guarabira: mulheres tentam entrar com maconha nas partes íntimas e presas em flagrante

Jota Alves - jun 26, 2017

Como a outra mulher se recusou a ser revistada, foi conduzida ao Hospital Regional da cidade para que fosse verificado se portava ou não a droga

Datafolha: Lula tem 30%, Bolsonaro, 16%, e Marina, 15%
Política
0 shares27 views
Política
0 shares27 views

Datafolha: Lula tem 30%, Bolsonaro, 16%, e Marina, 15%

Jota Alves - jun 26, 2017

A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos e índice de confiança de 95%

Leave a Comment

Your email address will not be published.