Réu do caso Ramalho é condenado por homicídio doloso e pega 15 anos de prisão

novembro 30, 2012
319 Visualizações

Terminou por volta das 5h30 (horário local) desta sexta-feira (30), no 1º Tribunal de Júri, no Fórum Criminal da Avenida João Machado em João Pessoa, o julgamento de João Paulo Guedes Meira. O júri popular entendeu que o réu deveria ser condenado pelo crime de homicídio doloso, quando se tem a intenção de matar. Ele foi responsabilizado pela morte de três integrantes da família Ramalho e mais duas lesões graves provenientes de um acidente automobilístico que aconteceu em João Pessoa, em 2007.

Diante da decisão do júri, o juiz Marcos William de Oliveira definiu a sentença de 15 anos a ser cumprida em regime fechado em um presídio estadual. Ele foi punido por ter dirigido sob o efeito de álcool, ignorando os semáforos fechados. Segundo a decisão dos jurados, o réu tinha consciência da licitude do fato ao assumi-lo.

Nas considerações finais, o promotor Alexandre Varandas fez questão de enfatizar que até as pessoas que estavam no carro de João Paulo atribuem a culpa do acidente a João Paulo, o que raramente acontece, uma vez que geralmente essas pessoas são amigas. “Ele não apenas matou três pessoas como também provocou lesões corporais graves. O desfecho poderia ter sido mais grave, tudo por uma conduta irresponsável estimulada pelo uso de álcool. Eu posso afirmar sem medo de errar: ele tomou mais de um copo de cerveja. não é presunção, é convicção”, disse o promotor. “Não há duvidas que houve dolo eventual”.

O advogado de defesa Ricardo Siqueira também teve a oportunidade de apresentar suas ideias ao júri presente. Para a defesa, não há qualquer indício de que João Paulo assumiu a responsabilidade pelo acidente. Para Siqueira, ele não deve responder por homicídio com dolo eventual. “A família da vítima sofre com as perdas. A família do réu sofre a cadeia que ele está pagando”, comentou.

A fase plenária do julgamento terminou por volta das 2h15 e apenas cerca de três horas depois a sentença foi proferida.

O que disse o réu

No seu depoimento, João Paulo negou ter ultrapassado semáforos vermelhos, disse que todos os que encontrou na Avenida Epitácio Pessoa estavam verdes, e também negou ter bebido. “Só tomei um copo de cerveja, porque no outro dia tinha que abrir a loja do meu pai”, declarou.

Questionado pelo juiz sobre o porquê de o carro ter ficado tão destruído após o acidente, ele reafirmou que não estava em alta velocidade. “Eu acho que mesmo estando a 80km/h, sem você pisar no freio causa um estrago razoável”, pontuou.

O réu explicou que foi ao Instituto Médico Legal, onde fez o exame clínico para mostrar que não estava embriagado. Ele ainda disse que se recusou a fazer o bafômetro porque tinha um ferimento grande na testa e tinha perdido muito sangue. ”Todos os depoimentos são mentirosos. Eles querem somente me prejudicar”, afirmou.

João Paulo ainda declarou durante o depoimento que ficou foragido tanto tempo porque estava recebendo ameaças anônimas. Além disso, o réu afirmou que estava sofrendo muita pressão e que tinha medo de ser preso. “Eu não suporto mais tal situação. Se for para ficar preso, fico. Se for para pagar, eu pago. Por isso que me apresentei. A vida de foragido é pior do que a vida de preso”, comentou. O réu só se entregou à polícia no dia 14 de dezembro de 2011, quatro anos depois do acidente.

Fonte: G1PB

Comente esta matéria

Você também pode gostar

Corpo de Kelly será sepultado na tarde desta sexta, em Guarabira
Notícias
0 shares48 views
Notícias
0 shares48 views

Corpo de Kelly será sepultado na tarde desta sexta, em Guarabira

Jota Alves - ago 18, 2017

Segundo pessoas próximas, o corpo deve chegar às 14h em Guarabira e será velado na Central de Velórios Sono Eterno, na Praça da Juventude

Ator Silvero Pereira relembra sua infância: “Uma extrema pobreza”
Notícias
0 shares33 views
Notícias
0 shares33 views

Ator Silvero Pereira relembra sua infância: “Uma extrema pobreza”

Jota Alves - ago 18, 2017

O menino pobre de Mombaça, do sertão do Ceará, ganhou o Brasil com sua arte

Em sessão que debateu políticas públicas para juventude, Prefeitura de Guarabira recebe críticas
Política
0 shares49 views
Política
0 shares49 views

Em sessão que debateu políticas públicas para juventude, Prefeitura de Guarabira recebe críticas

Jota Alves - ago 17, 2017

Vereador líder da bancada do PSB, Renato Meireles cobrou da Prefeitura de Guarabira a criação de uma secretaria de juventude

Leave a Comment

Your email address will not be published.